Bom Dia - O Dirio do Mdio Piracicaba

notícias

30/11/2023 06h57

Dana afro reivindica valorizao e presena nas escolas

Diversidade em Minas impressiona

Compartilhe

Audiência também cumpriu requisito legal para criação do Dia da Dança Afro no Estado

 A dança afro precisa voltar às comunidades e aos projetos sociais, ser uma disciplina, objeto de formação de professores. E precisa de uma política pública, de financiamento e reconhecimento. As reivindicações foram feitas nesta quarta-feira (29/11/23) por dançarinos, coreógrafos, estudiosos do tema e militantes do movimento negro, durante audiência da Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

A audiência também cumpriu um dos critérios previstos na Lei 22.858, de 2018, que trata de instituição de datas comemorativas, conforme destacou a deputada Macaé Evaristo (PT), autora do requerimento para o debate. Quando vereadora de Belo Horizonte, foi dela o projeto de criação do Dia Municipal da Dança Afro e, agora, tramita na ALMG o Projeto de Lei (PL) 555/23, também de sua autoria, para criação do dia estadual.

Os convidados foram unânimes em destacar o impacto da dança afro em suas vidas e a importância do tema ser tratado em um espaço político como o Legislativo. “Essa causa me define. A dança afro me salvou quando eu morava na rua”, resumiu Wallace Felipe Guedes Vieira, bailarino da Associação Cultural Bataka. Além do potencial dessa arte para a segurança, seus impactos na educação também foram mencionados.

“Minha vida foi dar aulas de dança afro em projetos sociais. Hoje vejo pouco isso nas comunidades, muitas vezes porque não há financiamento. Ela não se sustenta”, apontou também a pedagoga, professora e pesquisadora da dança afro Marilda da Silva Cordeiro. Ela se disse privilegiada por ainda poder viver dessa manifestação artística.

A dança afro também abriu portas para Patrícia Fonseca de Alencar, coreógrafa da Companhia Bataka, que chegou à Organização das Nações Unidas para dançar como representante de matrizes africanas.

“Cada passo é resistência, é protesto, é rompimento de barreiras. Cada movimento é uma conexão com a natureza e o divino. Nós estamos nas ruas, becos e celebrações religiosas. Mas não existe manifestação sem recursos. ”

Patrícia Fonseca de Alencar, Coreógrafa da Companhia Bataka, Diversidade em Minas impressiona

A diversidade da dança afro em Minas foi ressaltada pelo professor e coreógrafo Evandro dos Passos Xavier, saudado como mestre por muitos participantes da audiência. Doutorando em Dança na Universidade Federal da Bahia (UFBA), ele afirmou que colegas ficam admirados com as múltiplas manifestações em Minas. “Os gestos são memórias do corpo, das procissões de Nossa Senhora do Rosário, do samba de carnaval”, pontuou.

No doutorado, Evandro aborda a trajetória de Marlene Silva, coreógrafa negra e uma das maiores referências históricas da dança afro-brasileira em Minas Gerais. Mineira, ela voltou a Belo Horizonte em meados da década de 1970, depois de iniciar carreira no Rio de Janeiro. “Ela quebrou paradigmas, levou espetáculos para os grandes teatros como o Palácio das Artes. Trouxe um discurso decolonial”, salientou Evandro.

O coreógrafo defende que a dança afro esteja nos cursos de dança das universidades, na educação. Ele também destacou a importância da criação do Dia Municipal da Dança Afro em Belo Horizonte, que já inspirou Porto Alegre (RS) e Rio de Janeiro (RJ). “É ímpar o que estamos construindo a partir do legado de Marlene”, pontuou.

 

Audiência da Comissão de Cultura tratou da diversidade das danças afros e da necessidade de contemplá-las nos editais das leis de incentivo cultural

Memória de um povo

Para Macaé Evaristo, a dança afro é uma expressão cultural e artística que carrega valores históricos, identitários e de resistência. Dessa forma, segundo ela, valorizá-la é proteger esse patrimônio, garantir sua transmissão a futuras gerações e avançar no empoderamento das comunidades. “É dever do Estado fomentar essa forma de expressão”, apontou.

Na visão da parlamentar, a dança como um todo não tem o apoio necessário. Mas as de origem colonial ainda têm espaço, sobretudo nos grandes teatros. Macaé Evaristo citou que o edital da Lei Municipal de Cultura de Belo Horizonte em 2023 não aprovou nenhum projeto de dança afro. “Nem mesmo o Edital Afromineiridades, do Governo do Estado, aprovou projeto de dança”, lamentou.

Dançarinos e coreógrafos cobraram medidas de incentivo e financiamento da dança afro no Estado

Rádio Assembleia

Requerimentos com pedidos de providências a órgãos públicos para valorização da dança afro e sua inclusão nos mecanismos de fomento foram apresentados e serão votados na próxima reunião da comissão.

Participantes da audiência enfatizaram ainda a necessidade de luta para que o ensino da dança chegue às escolas, como parte da história e cultura afro-brasileira, incluída nos currículos pela Lei Federal 11.645, de 2008.

Tópicos: Cultura, Negros, Índios, Povos e Comunidades Tradicionais

Bom Dia Online- Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.

by Mediaplus