Bom Dia - O Diário do Médio Piracicaba

notícias

14/04/2019 18h39

Vale apresenta megaestrutura de 35 metros de altura para conter rejeitos em Barão de Cocais

Compartilhe

Em reunião com os moradores de Barão de Cocais, na Região Central de Minas Gerais, a Vale apresentou o esboço de um enorme muro para, em caso de rompimento, conter rejeitos da Barragem Sul Superior, na Mina de Gongo Soco. Segundo a Defesa Civil da cidade, a mineradora projeta uma megaestrutura de concreto, com 35 metros de altura, 307 de comprimento e 10 de largura na parte superior. A parte inferior ainda depende de análises a serem feitas no solo.

O encontro com a comunidade local aconteceu na noite dessa quinta-feira (11). O murão demoraria um ano para ficar pronto, segundo a Defesa Civil. Os recursos viriam da própria empresa responsável pela administração da represa.

Em nota, a Vale informou que “iniciou estudos para encontrar soluções de contenção para a barragem Sul Superior”. Contudo, a companhia salientou que “não há nenhuma estimativa de valores envolvidos ou prazos para eventuais projetos”.

Também em nota, a Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) disse que "não houve concessão de licença" para a construção do muro. Contudo, a pasta destacou que "a construção de obras emergenciais de segurança é dispensada de autorização prévia, bastando ao empreendedor oficiar o órgão ambiental, pela própria natureza da emergencialidade".

Ainda de acordo com a Semad, "o processo para regularização de obras emergenciais deve ser protocolado no órgão em até 90 dias, quando são verificadas se as obras estão regulares e o cumprimentos de compensações".

A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec) informou que não foi avisada sobre a apresentação. 

Histórico

 Desde 22 de março, a Barragem Sul Superior está no nível 3 da escala de alerta, o que representa uma “situação iminente de rompimento”. Dias depois, o tenente-coronel Flávio Godinho, coordenador-adjunto da Coordenadoria

 Porém, na ocasião, Godinho ressaltou que qualquer solução para a barragem não estava próxima. Outra saída seria intervenções na barragem para que sua estrutura seja melhorada. Qualquer saída, no entanto, esbarra no nível de emergência atual da represa, que impede a atuação de operários no local.

 A utilização de máquinas operadas a distância poderia ocorrer. “Quando? Não tem data”, disse o tenente-coronel no último dia 25, quando ocorreu o simulado de evacuação da Zona de Segurança Secundária (ZSS). Naquele dia, aproximadamente 3,6 mil moradores participaram da ação. O total equivale a 60% da expectativa, que era de mobilização de 6 mil pessoas.

O ponto positivo foi o tempo máximo de chegada a um dos sete locais de apoio distribuídos pelo município: 32 minutos, bem abaixo dos 72 minutos de intervalo estimado até que a lama atinja a primeira casa da cidade.

As comunidades próximas à Sul Superior, na Zona de Autossalvamento (ZAS), foram evacuadas em 8 de fevereiro. No total, 452 pessoas saíram às pressas de suas casas, durante a madrugada de uma sexta-feira, após o acionamento dos sinais sonoros de emergência.

Fonte: EM

Bom Dia Online- Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.

by Mediaplus