Bom Dia - O Diário do Médio Piracicaba

notícias

27/07/2018 07h33

ENTREVISTA: O Forrozeiro Indio do Forró

Compartilhe

O MEDIOPIRA dessa semana entrevistou o grande forrozeiro Abel Ferreira Marcelo, o INDIO DO FORRÓ. O forrozeiro é um dos artistas que mais trabalha no Médio Piracicaba. Munido apenas do seu teclado, Indio faz um baile sozinho, encara desde enormes platéias até pequenas casas noturnas. Então vamos à entrevista... CENÁRIOS - Olá, Indio do Forró. Tudo beleza? Não nos conhecemos pessoalmente, mas observo seu trabalho de longe. Eu escrevo pro Jornal BOM DIA e queria entrevistá-lo. Topa?  INDIO DO FORRÓ - Que  legal. Vc tirou água de meus olhos aqui rsrsrsr. Muito feliz aqui por ter chamado sua atenção e querer me dar essa oportunidade. Obrigado.  MEDIOPIRA- A gente tem de reconhecer quem tem valor. Vc é um trabalhador, um operario da música. INDIO DO FORRÓ -  Obrigado MEDIOPIRA - Vc é de São Domingos do Prata mesmo?  INDIO DO FORRÓ -  Não. Eu sou monlevadense. Minha mãe é nordestina do Piauí e meu pai é monlevadense. Você é de Alvinópolis né? Tenho uma grande gratidão por Alvinópolis...o povo daí me levantou pras regiões. Tenho uma dívida grande com o povo alvinopolense. Eu morava em BH e estava muito pra baixo e um show que fiz em Alvinópolis fez todos do médio piracicaba me valorizarem.  MEDIOPIRA - Vc encara qualquer publico com seu teclado. Como é isso? INDIO DO FORRÓ -  Olha...eu era um cara medroso de um bairro humilde. Um dia um amigo me deu uma fita com músicas que abriram minha cabeça. Eu com um teclado realmente consigo fazer o que muitas bandas não conseguem. Faço bailes, tenho repertório para várias horas. MEDIOPIRA - Que músicas você ouvia na infância.  INDIO DO FORRÓ -  Quando estive no Piauí ouvi muito forró nordestino. Isso fez toda diferença em minha vida. Eu ficava pedindo a DEUS que me desse asas pra voar até o Piaui em Parnaiba pra ver minha avó antes de morrer. Naquele tempo era difícil eu ir prá lá. O custo das passagens era alto demais. Mas a infancia mesmo foi toda em Monlevade no bairro São João.  MEDIOPIRA - E o que lhe influenciou a se tornar músico?  INDIO DO FORRÓ -  Familiares de minha mãe. Eu ouvia mto Dominguinhos e Cazuza. Meu pai é músico em monlevade. Nossa família é de sanfoneiros..  MEDIOPIRA - Como é o nome do seu pai? INDIO DO FORRÓ -  Meu tio tinha um forró em monlevade por anos. Era forró do Fizinho junto meu pai, Adão. Eles ficaram anos lá e eu ia lá pra sapear. Comecei limpando o forró pra ganhar um dinheirinho. Ai vi uma bateria e comecei a bater nela. Dominei a bateria, mais eu queria mais.  MEDIOPIRA - Mas vc começou como sanfoneiro?  INDIO DO FORRÓ - Ai fui pra sanfona. Bateria primeiro, depois sanfoneiro. Eu migrei pra sanfona de volta por ver ki o baterista sofria muito e ganhava pouco(rs) . Eu já comecei a ver a sanfona e a música como trabalho só teclado bateria e sanfona. Um dia um amigo músico de monlevade o Paulinho do contra baixo, me aconselhou: dedique a um instrumento primeiro.  MEDIOPIRA - E depois partiu da sanfona pro teclado?  INDIO DO FORRÓ - Sim, mas sem perder a pegada da sanfona, do forró nordestino, que é o meu diferencial.  MEDIOPIRA - Vc tbem compõe?  INDIO DO FORRÓ -  Não componho. Eu me dediquei muito aos instrumentos. Minha cabeça não focou em composições. Não me aventurei ainda, mas não descarto. Sou muito apaixonado por melodias, pelo som dos instrumentos. MEDIOPIRA - Vc já tocou em bandas ou sempre sozinho?  INDIO DO FORRÓ -  Sim. Toquei em muitas bandas. Mais em BH. Tanto em BH como em Monlevade. A banda que fiz parte “Cabra Macho” era de forró pé de serra e várias outras. Eu era free lancer. Era um dos poucos sanfoneiros da região, então o pessoal me chamava muito. MEDIOPIRA - E quando passou a apresentar-se sozinho? É difícil ganhar dinheiro com banda? INDIO DO FORRÓ -   Eu tive uma dupla que era Abel e Diniz. Ficamos muitos anos juntos. Comecei solo depois de 2002, quando comecei a correr o mundo com um teclado e uma mochila nas costas. Não é difícil ganhar dinheiro com a música. Basta muita fé em DEUS e coragem. Eu ganhava um pouquinho de dinheiro com as bandas pois eu era tecladista sanfoneiro e baterista. E sempre fui muito dedicado e responsável. Eu era músico, roadie e amigo dos cantores. Eu sempre estive disposto a ajudar além de tocar um instrumento em cima do palco. MEDIOPIRA - Vc já foi pra onde tocando?  INDIO DO FORRÓ -  Nossa. Fui pro Piaui  pra tocar em Passagem de Franca, fui pra Bahia, Irecê, Vitória e outros estados mais. MEDIOPIRA - Em Minas tocou em quantas cidades?  INDIO DO FORRÓ -  Vou falar das cidades especiais que me abraçaram, cidades que quando eu partir desse mundo, que meu corpo fique um pedaço em cada lugar. Em primeiro lugar São Domingos do Prata onde moro e que me acolheu. Mas uma cidade que me levantou de uma vez foi Alvinopólis. Aiiiii carnaval de 2015 foi estourooo. Lá é Indio pra lá, Indio pra cá. Na cidade de Caxambu (Padre Pinto) eu regravei a música Samara que me projetou pra todos os lados. Tem 3 anos que ela foi regravada. O pessoal aqui da região, se eu não cantar ela umas 10 vezes eles não sossegam. Outro lugar que amo é Major Ezequeil. Povo diferenciado.  MEDIOPIRA - E vc mesmo vende seus shows? Tem empresário?  INDIO DO FORRÓ -  Olha eu trabalho sozinho, eu mesmo vendendo meus shows. Meu sonho é arrumar um gerenciador de shows. Mas tem de ter muita flexibilidade. Se eu tivesse um gerenciador ganhando sua porcentagem comigo teria mais respeito. MEDIOPIRA - Qual foi o show mais bacana que vc ja fez? INDIO DO FORRÓ -  Alvinopólis 2015 no carnaval. Sem duvidas um show inesquecível. Forró no carnaval, eu e meu teclado sozinhos e DEUS ME ABENÇOADO E AMIGOS DIZENDO VAI VC CONSEGUI. Na época Wesley Safadão era sucesso e eu com a pegada nordestina. Peguei todo tipo de música e joguei nesse estilo pois era diferente. Não tinha outro cantor com sotaque nordestino, cabelão. Saia uma banda de samba rock e entrava o Indio do forró levando a alegria do forró para o carnaval de alvipa Foi maravilhoso.  MEDIOPIRA - Vc yem sangue indio mesmo ou o povo achava parecido e te apelidou?  INDIO DO FORRÓ -  Minha familia tem sim muita próximidade com povo indígena da região lá no Piaui. Eu não aprofundei em minhas origens até hoje. Minha mãe me fala que minha bisavó era índia de sangue puro. MEDIOPIRA - Muito obrigado pela entrevista INDIO DO FORRÓ, deixe seu contato para o pessoal que quiser conhecer ou contratar seus serviços. INDIO DO FORRÓ - Eu é que aproveito a oportunidade. Meus contatos - Telefone - 31 97185 3252 - indiodoforro13@gmail.com - No instagram, youtube e facebook é só pesquisar INDIO DO FORRÓ. 

Bom Dia Online- Copyright © 2013. Todos os direitos reservados.

by Mediaplus